terça-feira, 2 de setembro de 2014

ESTIAGEM



A palavra seca
Não quer dizer
O poema
Esturricou
Não vem baião
Nem xote
Nem xaxado
Nem perdido (diria Walter Franco)
Saliva seca
No palato
Do vivido
Sem água
Sem mágoa
Terra em calo
Tela em branco
Seguro o canto
 E espero a chuva
Cair de novo
No novo
Pra ver se nasce
Uma canção...
(Edson Leão)*
Texto postado no face na madrugada de 2 de setembro e 2014, como resultado de uma insônia e musicado por Mário Tarcitano na manhã do mesmo após ler a postagem.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

FRAGMENTO DE ANTIGO MANUSCRITO ALQUIMICO

Lua
Depois da chuva
Na neblina
Entre árvores
Da alta madrugada...
Corpo de mulher
Quando o perfume
Deixa pressentir a alma...
Mistérios do feminino
Alquimia para iniciados...
(Edson Leão)

AVISO!

Era pra ter um aviso na porta
“Cuidado! Humano!"
Mas ninguém saberia de verdade
O que isso representa de risco...
(Edson Leão)

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO

(A PERPLEXIDADE)
Não pense que é só com você de novo
Os outros também estão na mesma
Aprendendo as novas regras do jogo
Com apressados passos de lesma
(Edson Leão)

VELOCIDADE

Como um “pega” de automóvel no crânio
Os pensa-sentimentos se lançam
Indiferentes aos riscos do abismo
(Edson Leão)

POESIA SACRA DISTÓPICA

Num mundo devastado
E superpovoado
Os santuários que restaram
São
O aqui
E o agora...
(Edson Leão)

TRIÂNGULO DAS BERMUDAS

Navios desaparecidos
Moedas perdidas
Celulares não devolvidos
Calorias reencontradas
Amores desencontrados
Num mundo sem mapas
Nem manual de instruções...
(Edson Leão)